Com o apoio:

Com o apoio:

Tradutor

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Relatório Final de Trabalho

Imagem da capa do Relatório Final de Trabalho. Clique para o abrir
Capa do Relatório Final de Trabalho
 
Como previsto no projeto, todos os participantes na mobilidade elaboraram e apresentaram em grupo um relatório final de trabalho, incidindo sobre o tema que está mais relacionado com a sua intervenção, aqui na Fundação.


Clique aqui para conhecer o relatório final de trabalho, que resulta da compilação de todos os relatórios elaborados pelos participantes e que expressa as nossas conclusões, em termos do que foi observado e das possíveis futuras transferências para a nossa realidade.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

5º Dia de Trabalho

Clique aqui para ampliar esta imagem
O nosso grupo de trabalho, com os parceiros Italianos

A Secção Provincial da UIC de Ascoli Piceno

O dia de trabalho foi dedicado ao encontro com nossos parceiros neste projeto Leonardo Da Vinci, ou seja, a Secção Provincial da União Italiana de Cegos de Ascoli Piceno, nesta reunião representados pelo seu Presidente, Dr. Adoriano Corradetti e pela Dra. Emanuela Storani.

Clique aqui para ampliar esta imagem
Reunião com o Presidente da  Secção Provincial de Ascoli Piceno, Dr. Adoriano Corradetti
Em Ascoli Piceno, a União Italiana de Cegos foi fundada no início do segundo ano depois da guerra, por alguns empreendedores e corajosos cegos que deram vida a iniciativas para o estabelecimento de Cooperativas de Artesanato orientadas para o trabalho de entrelaçamento de cestas, fundos de cadeira e, ao mesmo tempo, promovendo um verdadeiro trabalho de agregação dos cegos do território em torno da Associação que cresceu rapidamente.
 
Clique aqui para ampliar esta imagem
Mapa de Itália, que mostra a localização de Ascoli Piceno

As instituições locais, como a Prefeitura, o Ministério da Educação, a Província, a Administração Municipal tornaram-se então e continuam a ser os parceiros preferenciais da Associação.

Nos últimos anos, o Estado Italiano mudou o seu tipo de relação com o sistema de bem-estar e a sua respetiva gestão, procurando a prestação de serviços, mas recorrendo sempre cada vez mais, para intervir no domínio público, às associações que compõem o setor privado.

A União Italiana de Cegos de Ascoli Piceno faz parte deste sector e é chamada a exercer muitas actividades complementares que o governo não consegue gerir, por falta de competências técnicas e que em sua substituição a UIC possui, por sempre ter apoiado os cegos e suas famílias.

A secção e o I.Ri.Fo.R. de Ascoli Piceno tornaram-se, nos últimos anos, num verdadeiro ponto de referência para todos aqueles que a vários níveis e com diferentes funções, vivem em estreito contato com a deficiência visual .

O Presidente desta secção e os outros elementos do Conselho, inequivocamente durante a duração do seu mandato, acreditam que o processo de inclusão na participação social da pessoa com deficiência visual passa pelo percurso de aquisição ou reaquisição de competências físicas, psíquicas e de interação social da pessoa no contexto da vida quotidiana.

Desta percepção resulta numa abordagem diferente da deficiência visual, que quase sempre aparece associada a outras deficiências.

Cada pessoa, que se aproxima da associação deve ser avaliada segundo o princípio da “atenção integral”.
A seção de Ascoli Piceno (assim como todas as outras secções, espalhadas pelo país) desempenha, portanto, um papel ativo, assumindo diversas competências:
  • colabora com várias escolas da Província, na educação dos deficientes visuais;
  • fornece materiais educativos específicos;
  • organiza atividades recreativas e desportivas;
  • é o suporte técnico-logístico para os assistentes de autonomia (profissionais que trabalham nesta área);
  • está em contato com diversas agências locais;
  • inicia os primeiros contatos com diversos postos de trabalho;
  • fornece suporte às famílias e aos parentes dos deficientes visuais tento em vista a realização pessoal e profissional dos mesmos;
  • organiza encontros e cursos sobre o uso da informática “especial”;
  • organiza cursos de formação e atualização sobre temas de tiflologia, mobilidade, autonomia, etc.;
  • colabora com os serviços de saúde locais na reabilitação visual dos deficientes, mesmo com outras deficiências;
  • organiza acampamentos de verão, educativos e de reabilitação, para crianças e jovens;
  • organiza eventos desportivos;
  • organiza a promoção e disseminação do Livro Falado;
  • participa em projectos europeus;
  • organiza eventos de informação e sensibilização, seminários, conferências, etc.
  • e muito mais...
Cultura e Lazer

Inesquecível, o final deste dia:
  • Faça uma visita virtual à memorável Capela Sistina.  
  • Veja no seguinte video algumas imagens da nossa visita "noturna" aos Museus do Vaticano...

video
Muito interessante e, muito bem feito, o papel da União na colaboração com o Estado, tornando-se sua parceira de maneira a aumentar a qualidade de vida dos dos deficientes visuais, quer em áreas de formação, trabalho quer em áreas de lazer e actividades da vida diária!

quinta-feira, 9 de junho de 2011

4º Dia de Trabalho

Visita à Sede da UIC

Este dia de trabalho foi dedicado à visita à Sede da União Italiana de Cegos, onde fomos recebidos pelo Secretário Geral, Dr. Orlando Paladino.
O Dr. Paladino contextualizou-nos sobre a História e contexto de formação da UCI, assim como o atual funcionamento desta Associação.
Clique aqui para ampliar esta imagem
Reunião na Sede da UIC, com o Dr. Orlando Paladino


Cultura e Lazer
Clique aqui para ampliar esta imagem
Colagem de fotografias de alguns sítios por onde andámos, neste dia...
Em traços gerais, aqui ficam algumas das informações recolhidas neste dia. A UCI surge como uma associação que procura dar resposta às necessidades de um elevado número de mutilados da Guerra, tornando-se nos anos 1950 tornou-se uma entidade pública (coincidindo com o período em que ocorreu a marcha de Florença a Roma para lutar pelos direitos e apoios às pessoas cegas e amblíopes). Atualmente a União é novamente uma entidade privada, com uma estrutura piramidal, em que as estruturas distritais têm uma grande autonomia em relação aos serviços centrais.
Atualmente representa todos os cegos e amblíopes, inscritos ou não inscritos na associação e é constituída por um presidente e 20 concelheiros que são eleitos de 4 em 4 anos pela assembleia nacional (constituída pelos presidentes das 22 regiões e 20 presidentes de província). O nº de delegados locais na assembleia nacional representa o nº de sócios de cada associação local e/ou regional.
O financiamento da união é feito através de:
  • Quotas dos sócios (50€ ano, sendo que 30€ são para a secção provincial, 10€ para a regional e 10€ para a nacional)
  • Os órgãos regionais contribuem com valor €
  • Contribuições de sócios
  • Projetos financiados nacionalmente pelo estado
  • Projetos de financiamento europeu
  • Lotaria provincial
  • Recolhas públicas
  • Receita do centro de transcrição braille para as escolas
  • Receita de pequeno centro de material tiflotécnico (equipamentos, ajudas técnicas e acessórios adaptados)
Foram-nos apresentadas as funções prioritárias da União: representação da pessoa cega e amblíope, desenvolvimento de atividades de reabilitação e formação; assistência escolar domiciliária e apoio escolar especializado; reprodução, tradução e publicação de livros em braille e mp3; publicação de materiais adaptados; entre outras.
Foram abordadas questões relacionadas com a orientação política e legislação em vigor, no que se refere à formação e integração profissional da pessoa cega e amblíope, nomeadamente aspectos como as quotas de 7% de telefonistas cegos em empresas com apoio ou serviços telefónicos (nomeadamente cal centres), que representa, tal como em Portugal, uma elevada percentagem de empregabilidade de pessoas cegas ou as dificuldades que se sentem atualmente na integração de cegos no mercado de trabalho.
Foram referidas outras áreas de integração de cegos no mercado de trabalho:
  • Fisioterapeutas / massagistas – que fazem atualmente a formação em escola pública de fisioterapia (já não existe formação em formação profissional nesta área);
  • Programadores Informáticos – a formação específica para cegos é feita no Instituto Cavazza (Bologna). Abrange formação ao nível de trabalho administrativo;
  • Músicos e professores de música
  • Advogados e professores de disciplinas teóricas – formação feita no ensino superior integrados no ensino regular.
No que se refere a poio estatal, a pessoa cega recebe do estado um valor pecuniário que varia entre 200 e 800€, dependendo o valor atribuída do nível de deficiência: se é cego ou amblíope e dos rendimentos anuais da pessoa a atribuir a pensão.
Foram ainda abordados com o Dr Paladino alguns aspectos relacionados com a educação da criança cega. Atualmente em Itália observa-se a mesma situação que em Portugal: com a aplicação do Ensino Integrado, as crianças cegas passaram a ser integradas no ensino regular, deixando de existir estabelecimentos de formação especializada para a educação de cegos. A questão é que no ensino integrado se verifica que não existem os apoios necessários para a adequada intervenção especifica necessária (em algumas áreas de escolaridade e integração social e escolar) e que os professores ou técnicos que providenciam esses apoios especiais não tem uma preparação apropriada para que sejam asseguradas essas áreas específicas por exemplo áreas de braille ou de orientação e mobilidade.

quarta-feira, 8 de junho de 2011

3º Dia de Trabalho


A "Associazione Volontari nei Musei"

A "Associazione Volontari nei Musei" é uma organização não lucrativa de solidariedade social que existe desde 1994 e é constituída por voluntários. Em colaboração com a "Unione Italiana di Ciechi" e a "Scuola Superiore di Servizi Sociali", tem como objetivo difundir, junto das pessoas com deficiência, o rico património cultural italiano. 
Desde 1995, com o apoio da "Comune de Roma" (Câmara de Roma), desenvolve o seu trabalho nesta cidade, em diversos monumentos, no sentido de os tornar acessíveis, quer do ponto de vista da adaptação do espaço, quer na observação das obras, propriamente ditas, fazendo-o com especial relevância no que concerne à deficiência visual.
A Associação colabora com o Museu do Vaticano, Museu Barracco, Galeria  Comunale d’arte Moderna e Contemporânea, Museu Capitólio, Museu da Civilização Romana, Catacumba de Pretestato, Museu de Arte e Tradição Popular, Museu Pré-Histórico e Etnográfico, etc.




A Nossa Visita Técnica ao "Campidoglio" (Capitólio)
Durante a tarde visitámos a zona normalmente designada por Capitólio, tendo sido a visita guiada pela voluntária, Arquiteta Sabrina (?) e pela Prof.ª Giuseppina Simili (Presidente da Associação), contando também com a colaboração de Mário Scali, deficiente visual italiano que fala português.
  Clique aqui para ampliar esta imagemAntes de começar a visita foi distribuído aos participantes com deficiência visual um pequeno livro com representação em relevo e a negro dos espaços mais importantes do museu e com textos em Braille e negro sobre o mesmo, a fim de que pudessem acompanhar a visita.
Iniciámos a visita pela observação do pedestal da estátua do Imperador Marco Aurélio, situada no centro da "Piazza del Campidoglio". Esta estátua é uma réplica, já que a original se encontra numa das salas do museu.
Clique aqui para ampliar esta imagem
Clique aqui para ampliar esta imagem


Para iniciar a visita ao complexo de edifícios do Musei Capitolini começamos por entrar numa sala do piso térreo do Palazzo Nuovo, onde foi possível explorar a maquete tridimensional dos edifícios que constituem a praça e a planta do chão da mesma, projetada por Michelangelo. Aqui pudemos observar a a planta em relevo da Cordonata, com as suas figuras míticas, Castor e Pollux, um de cada lado, a 3 dimensões, e a maquete, em relevo, da disposição espacial dos diferentes edifícios que constituem o Campidoglio.

Prosseguindo a visita, na Galleria Lapidaria, que fica sob a praça e que liga o Palazzo Nuovo ao Palazzo dei Conservatori, pudemos observar uma maquete permenorizada do Palazzo Senatorio e Tabularium. Nesta peça é possível observar com ínfimo pormenor o edifícios e as sucessivas fases de construção do mesmo, correspondentes a diferentes planos da maquete. Os materiais de construção da maquete são diversos, com várias texturas, para proporcionar ao deficiente visual uma imagem fiel dos edifícios.Em cada uma das salas a Arq.ª Sabrina fez a descrição pormenorizada das estátuas e outras obras de arte expostas, fazendo o respectivo enquadramento histórico e remetendo para o livro distribuído e a informação em diversos paineis adaptados, sempre que os mesmos existiam.
Fez também referências às alterações realizadas no edifício ao longo dos séculos no sentido de se ir adaptando para os fins a que era destinado.
A passagem pelo Tabularium permitiu o acesso a plantas em relevo, legendadas a braille e negro, do Foro Romano, visivel desta parte do edifício.
Depois subimos ao edifício do Palazzo dei Conservatori e numa de suas salas, pudemos observar a estátua da Loba e dos Gémeos, alusiva à Fundação da cidade de Roma. Os colegas Carlos e Amaro tiveram a oportunidade de, utilizando umas luvas de látex (que não diminuindo a sensibilidade táctil, poupam o material da estátua dos efeitos negativos do contacto com as mãos) explorar a mesma.

Cultura e Lazer

Clique aqui para ampliar esta imagem
Na manhã deste dia fomos à "Udienza Papal". Ficámos muito comovidos quando ouvimos dizer:
“Abençoo todos os funcionários, familiares e colaboradores de Fundação Raquel e Martin Sain”...
Foi uma manhã cheia de emoções e inesquecível!!!


Leia aqui o discurso do Santo Padre, Bento XVI.  

Clique aqui para ampliar esta imagem
Colagem de fotografias de alguns sítios por onde andámos, neste dia...

Dia no Vaticano

Os funcionários ficaram tão comovidos que , no meio de toda aquela gente, nos levantámos e acenámos com as mãos! Inesquecível !!

terça-feira, 7 de junho de 2011

2º Dia de Trabalho

Logotipo da União Italiana de Cegos. Clique aqui para ampliar esta imagem
A "Unione Italiana dei Ciechi e Ipovedente"(UIC)

A Unione Italiana Ciechi e degli Ipovedenti (UIC) é uma organização de utilidade social sem fins lucrativos, cuja lei e estatutos definem que representa e defende os interesses morais e materiais dos cegos italianos, membros da associação ou não, no confronto com a administração pública.

A UIC trabalha com o objetivo de integrar os cegos na sociedade, procurando unir a opinião geral.
Foi fundada por Aurelio Nicolodi (Trent 1894/04/01 - 1959/10/27 Florence), cego de guerra e seu primeiro Presidente Nacional.

Formado em Geometria e funcionário nos Caminhos de Ferro do Estado, foi oficial do exército na Primeira Guerra Mundial e perdeu a visão no Karst (Monte Sei Busi) tendo sido condecorado com a medalha de prata pelo seu valor militar.

Foi Doutorado onoris causa em Economia e Comércio, e fundou a União Italiana de Cegos durante o Congresso de Génova, a 26/10/1920. Dedicou sua vida e a sua iluminada obra de educador à “redenção” moral e material dos italianos cegos, tanto em termos de organização como no ensino elementar e médio-superior, então praticamente inexistente na Itália, fundando diversos Institutos especializados, em particular, em 1929, o Instituto" Vittorio Emanuele II" em Florença, que ainda hoje tem este nome. Este Instituto foi, senão o primeiro, um dos melhores do seu género e Florença foi, até recentemente, um verdadeiro berço educativo, sobretudo na formação profissional dos cegos de Itália.


Primeiro contato com a UIC

A manhã deste dia de trabalho foi dedicado ao primeiro contato pessoal com a UIC, através da visita à Secção Provincial de Roma, onde tivemos a oportunidade de conversar com o seu Presidente, Dr. Giuliano Fritteli.

Pudemos ainda contactar com o Tiflotécnico presente, Sr. Hugo Viola, responsável pela secção do “Livro Falado”, que nos mostrou as instalações e os equipamentos que atualmente são utilizados para a reprodução e difusão desta importante faceta que é da responsabilidade da União e cujo objetivo é a disseminação da leitura pela população com deficiência visual.


Logotipo do IRIFOR. Clique aqui para ampliar esta imagem
O "Istituto per la Ricerca, la Formazione e la Riabilitazione" (I.Ri.Fo.R.)

O I.Ri.Fo.R. - Istituto per la Ricerca, la Formazione e la Riabilitazione - é uma organização sem fins lucrativos, criada a 22 de Fevereiro de 1991 pela União Italiana de Cegos e Amblíopes, para executar, com autonomia científica e administrativa, as seguintes tarefas:
  • realizar estudos e pesquisas nas áreas de educação, reabilitação, educação, orientação e formação, incluindo o aprofundamento das questões relacionadas com a inclusão no mercado de trabalho das pessoas com deficiência visual e outras deficiências;
  • realizar estudos e pesquisas para a identificação de novas oportunidades de emprego e profissionais, com referência ao uso de novas tecnologias projetadas para permitir o acesso aos deficientes;
  • organizar e realiza cursos de formação, atualização e formação, bem como as iniciativas que visam a reabilitação dos deficientes, mesmo em nome de instituições públicas ou privadas, que assumem toda ou parte da responsabilidade;
  • organizar e gerir a formação e a educação de professores que trabalhem na integração de alunos com necessidades educativas especiais nas escolas de todos os níveis;
  • conceder bolsas de estudo para frequência de cursos de formação inicial, formação contínua e também em noutras instituições ou escolas;
  • aconselhar e prestar serviços a instituições públicas e privadas nas suas áreas de competência;
  • supervisionar a publicação dos resultados da investigação e materiais educativos.
Durante a tarde deste dia de trabalho tivemos a oportunidade de, na Secção Provincial de Roma, através do seu Presidente, ficar a conhecer um pouco melhor a actividade do I.Ri.FoR., mais especificamente a sua intervenção ao nível do ensino e aprendizagem da Informática para deficientes visuais, em Itália.
 
Cultura e Lazer
 
Clique aqui para ampliar esta imagem
Colagem de fotografias de alguns sítios por onde andámos, neste dia...
 

segunda-feira, 6 de junho de 2011

1º Dia de Trabalho

Por motivos profissionais (segundo os nossos parceiros, urgentes e inadiáveis) foi-nos comunicado, à chegada ao Hotel onde ficámos alojados, uma alteração ao programa de trabalho previamente definido, tendo havido uma troca entre o que estava planeado para segunda e para sexta feira.

Assim, o nosso primeiro dia de trabalho foi dedicado às questões relacionadas com a acessibilidade para os deficientes visuais dos espaços públicos em Itália, e, mais especificamente, em Roma.

Há, em Itália, uma “empresa social” a trabalhar nesta área, a “COOPERATIVA SOCIALE SERVIZI INTEGRATI” (CSSIOnlus) ( www.cssionlus.it ).

Criada em 1993, a CSSIOnlus tem como objetivo selecionar e propor soluções facilitadoras da mobilidade autónoma dos Cegos e Deficientes Visuais em edifícios públicos ou privados e em espaços abertos ao público, dedicando-se especificamente a:
  • Projetos para percursos-guia táteis usando a linguagem LOGES, utilizando materiais como porcelanato, borracha para interior ou exterior, pedra vulcânica;
  • Indicadores táteis no chão;
  • Mapas Visio-táteis, coordenados com os percursos táteis;
  • Supervisão e coordenação do trabalho durante a implementação dos projetos.

Neste dia de trabalho foi-nos proporcionado um passeia pela “Roma Acessível”, que nos permitiu observar o trabalho realizado nesta cidade, por esta entidade. Aqui estão algumas imagens.

Clique aqui para ampliar esta imagem
 Percurso táctil na rua, encaminhando o utilizador até à passadeira (percurso de linhas paralelas), terminando com aviso de aproximação de perigo/paragem aconselhada (pontilhado)

Clique aqui para ampliar esta imagem
Percurso tátil dentro do edifício de um banco, neste caso junto do "Bankomat" (Multibanco)


Clique aqui para ampliar esta imagem
Mapa táctil das instalações do banco, também dentro do "Bankomat", em complemento ao percurso táctil

Os percursos-guia tácteis existem em países da Europa, América e Japão há mais de 20 anos. São ferramentas que visam oferecer soluções concretas para a questão da mobilidade independente de pessoas cegas porque permitem a identificação, de forma autónoma, da presença de perigo ou de pontos de interesse, como por exemplo uma escada, uma passadeira para atravessar a estrada, uma paragem de autocarro, uma cabine telefónica, etc.

Experiências realizadas em diferentes partes do mundo têm demonstrado a eficácia do uso integrado de guias naturais (dadas pelas sensações provenientes do natural e do construído) e as guias artificiais (os sistemas de pavimentação táctil). O sucesso destes dispositivos pode ser ainda amplificado pelo uso do acesso integrado a outras ferramentas, como os mapas tácteis ou Visio-tácteis, mensagens acústicas ou de voz e pistas plurisensoriais do meio-ambiente.

São muitos os materiais que podem ser utilizado, alguns já referidos atrás.

As cores utilizadas são de particular importância, pois permitem a pessoas que não sejam totalmente cegas, como os amblíopes, tirar proveito deste sistema, para uma boa e segura orientação.

Atualmente, os produtos utilizados são caracterizados por elementos imediatamente perceptíveis pelo sentido táctil plantar, isto é, pelo toque do pé, de identificação e compreensão intuitiva e, idealmente, também através do toque da bengala branca.

Além do tamanho, forma, espaçamento e altura dos elementos de relevo, é vital que o posicionamento destes elementos no espaço seja correto e consistente, especialmente no caso da adaptação de ambientes e lugares já existentes.

A importância da adopção destes instrumentos aumenta exponencialmente conforme aumenta também a presença de situações que podem ser de perigo para que a pessoa cega, naquele ambiente.
Seguindo estas linhas de orientação, a CSSIOnlus tem feito um trabalho no sentido de colocar este tipo de dispositivos em zonas como:
  • Pavilhões desportivos;
  • Áreas de serviço público;
  • Estações ferroviárias;
  • Metropolitano;
  • Escritórios ou edifícios públicos e abertos ao público
  • Hospitais
  • Universidades.

Clique aqui para ampliar esta imagem
Mapa táctil numa estação do Metro

Clique aqui para ampliar esta imagem
Percurso tátil no chão da mesma estação.

Em Roma existem ainda alguns percursos urbanos e monumentos que já foram alvo desta intervenção.  
Aqui ficam também algumas imagens ilustrativas.

Clique aqui para ampliar esta imagem
Mapa táctil na zona de San Giovanni.

Clique aqui para ampliar esta imagem
Pormenor do mesmo mapa, mostrado acima


Cultura e Lazer

21249 passos foi o resultado mostrado pelo nosso contador de passos de serviço, no final deste dia.


Clique aqui para ampliar esta imagem
Colagem de fotografias de alguns sítios por onde andámos, neste dia...


domingo, 5 de junho de 2011

Já cá estamos!!!!

E chegámos bem...

Clique aqui para ampliar esta imagem
A nossa primeira fotografia, in loco, do Coliseu de Roma...

Mas já chove!

E temos alterações ao programa de trabalho, acabadinhas de chegar ao hotel, por fax...
Juntando às alterações que foram enviadas no dia 3, o nosso programa de trabalho para esta semana está neste momento assim:

6 Junho – 2ª Feira – 1º Dia de Trabalho
Manhã: Tour pela “Roma Acessível” - Cooperativa Sociale Servizi Integrati
Tarde: Continuação do programa da manhã

7 Junho – 3ª Feira – 2º Dia de Trabalho                           
Manhã: Visita à Secção Provincial da Unione Italiana di Ciechi e Ipovedenti
Tarde: Visita ao Istituto per la Ricerca, la Formazione e la Riabilitazione - I.Ri.FoR

8 Junho – 4ª Feira – 3º Dia de Trabalho
Manhã: Udienza Papal
Tarde: Acessibilidade nos Museus, para deficientes visuais - Associazione Volontari nei Musei - Encontro com a Presidente, Prof.ª Giuseppina Simili

9 Junho – 5ª Feira 4º Dia de Trabalho
Manhã: Visita à Sede da Unione Italiana di Ciechi - Encontro com o Secretário Geral, Dott. Orlando Paladino
Tarde: Programa Cultural “Roma Antiga” - Coliseu e Forum Romano

10 Junho – 6ª Feira – 5º Dia de Trabalho
Manhã: Visita à Sede da Unione Italiana di Ciechi - Encontro com Secção Provincial de Ascoli Piceno
Tarde: Tarde livre
Noite: Programa Cultural "Museus do Vaticano" 
Clique aqui para ampliar esta imagem
O nosso primeiro jantar, em Roma

ROMA

Já cá estamosssssss..e para nos receber uma chuva torrencial!!! Ficámos encharcados!!!!

terça-feira, 31 de maio de 2011

Última Reunião, antes da Viagem...

Última reunião para acertar os derradeiros pormenores da viagem.
Foram distribuídas, a todos os participantes, as pastas com o programa de trabalho e, de novo, as regras de participação.
Aqui fica o nosso programa de trabalho resumido:

5 Junho – Domingo
Manhã: Viagem Lisboa – Roma
Tarde: Chegada ao Hotel 

6 Junho – 2ª Feira
Manhã: Visita à Unione Italiana di Ciechi - www.uiciechi.it
Tarde: I.Ri.FoR - www.irifor.eu

7 Junho – 3ª Feira                           
Manhã: Visita à Secção Provincial da Unione Italiana di
Tarde: Programa Cultural “Roma Antiga”

8 Junho – 4ª Feira                           
Manhã: Visita ao Centro de Formação do Instituto S. Alessio - www.santalessio.org          
Tarde: Continuação da Visita da Manhã

9 Junho – 5ª Feira                           
Manhã: Visita ao Centro Regional do Instituto S. Alessio Margherita di Savoia
Tarde: Programa Cultural a definir

10 Junho – 6ª Feira
Manhã: Encontro com Cooperativa Sociale Servizi Integrati - www.cssionlus.it
Tarde: Tour, guiado por representante da Cooperativa, pela “Roma Acessível”

segunda-feira, 30 de maio de 2011

A Melhor Fotografia!

Esta é sem dúvida a melhor fotografia do dia!!!!!!E azul, muito azul!!!:)))))))

quinta-feira, 26 de maio de 2011

A Preparação a terminar em beleza ...

No processo de seleção do formador para a atividade de preparação cultural e linguística foi solicitado aos candidatos que propusessem uma atividade a desenvolver no final da formação que pudesse incluir os dois tipos de preparação: cultura e língua.
A nossa Angela propôs:
A La Sera - Attivitá: Cena in un ristorante-pizzeria italiano a Lisbona.

E lá formos nós, transferir para a prática os novos conhecimentos.
Com a importante ajuda da nossa Insegnante e do nosso Cameriere italiano...
Aqui estamos nós!

ciao a tutti..la fotografia ??

quarta-feira, 25 de maio de 2011

6ª Sessão - Preparação Cultural e Linguística - Língua Italiana

Attività e obiettivi
  • Al ristorante
  • Cibi italiani e romani
Esempio
Camariere: Buongiorno!
Cliente: Buongiorno.
Camariere: Vuole ordinare?
Cliente: Sì, grazie. Quali primi avete?
Camariere: Abbiamo spaghetti alla carbonara, penne all'arrabiata, tortellini con panna, funghi e piselli e fettuccine al ragù.
Cliente: Allora, penne all'arrabbiata. E per secondo?
Camariere: Preferisce carne o pesce?
Cliente: Preferisco la carne.
Camariere: Abbiamo vitello al latte, maiale al forno e pollo con peperoni. Oppure una bella bistecca ai ferri...
Cliente: Mi porti uma porzione di maiale al forno.
Camariere: Desidere anche un contorno?
Cliente: Sì, vorrei delle patate arrosto e un'insalata mista.
Camariere: Che cosa le porta da bere?
Cliente: Acqua naturale e un quarto di vino bianco della casa.
Camariere: Bene, vuole ordinare anche un dolce?
Cliente: No, non adesso. Forse alla fine del pranzo, grazie.
Camariere: Grazie a lei.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

5ª Sessão - Preparação Cultural e Linguística - Língua Italiana

Attività e obiettivi
  • Fare compere in un negozio
  • Chiedere in un bar
  • Lessico negozi

Esempio
Come ordinare al Bar
Carla dopo la spesa va al bar a fare uno spuntino perché ha fame.
Carla: Buongiorno, mi può fare un cappuccino... e vorrei un bicchiere d'acqua per favore...
Barista: L'acqua la vuole naturale o frizzante?
Carla: Mi dà quella naturale, grazie...
Barista: Fredda o temperatura ambiente?
Carla: Non fredda. C'è qualcosa da mangiare?
Barista: Ci sono paste dolci e anche pezzi salati.
Carla: Che cosa avete di salato?
Barista: Abbiamo pizzette fresche, possiamo fare anche panini e toast.
Carla: Che panini fate?
Barista: Prosciutto cotto e funghi, crudo e formaggio, tonno e uova sode...
Carla: Quanto costano?
Barista: Questi costano 3€ e quelli più grande 4€.
Carla: Mi fa un  panino piccolo con crudo e formaggio, e mi può dare anche un pacco di patatine?
Barista: Bene, pèro prima deve fare lo scontrino alla cassa.
Alla cassa
Carla: Quant'è?
Cassiere: Sono 5 Euro e 20 centesimi.
Carla: Ecco a Lei 6€.
Cassiere: Ecco a Lei il reso e lo scontrino, grazie.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Aleluia!!!

Finalmente, o nosso programa de trabalho chegou!!!
UUUUFFFFAAAA!!!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

4ª Sessão - Preparação Cultural e Linguística - Língua Italiana

Attività e obiettivi
  • Chiedere informazione
  • I transporti a Roma

Esempi

Stranieri: Scusi... è lontano da qui Piazza di Spagna?
Romano: Abbastanza, ma potete prendere un autobus, il 15; c´è una fermata a cento metri da qui. È dopo tre o quattro fermate, chiedete all'autista. Potete comprare il biglietto dell'autobus in edicol o al bar.
Stranieri: E senta, ancora una domanda: Piazza di Spagna è vicino a Fontana di Trevi?
Romano: Sí, è vicino a Piazza di Spagna.
Stranieri: A piedi quanto ci vuole?
Romano: A piedi ci vuole un quarto d'ora, penso.
Stranieri: Bene, allora grazie mille.
Romano: Di niente, arrivederci!


un altro dialogo:
Laura: Scusa, per andare in centro?
Paulo: ...In centro? Eh... prendi il 12 e scendi dopo quattro o cinque fermate...
Laura: Grazie!
Paulo: Prego! Sei straniera, vero?
Laura: Sì, sono americana, di Chicago.
Paulo: Chicago... e sei que per lavoro?
Laura: No, per studiare. Sono qui da due giorni.
Paulo: Allora ben arrivata! Io mi chiamo Paulo.
Laura: Io sono Laura, piacere.
Paulo: Piacere. Complimenti, parli bene l'italiano!
Laura: Grazie!
Paulo: Ah... e abiti qui vicino?
Laura: Sì, in via Verdi.
Paulo: Davvero? Anch'io!
Laura: Allora... a presto!
Paulo: A presto! Ciao!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

3ª Sessão - Preparação Cultural e Linguística - Língua Italiana

Attività e obiettivi
  • Roma e suoi monumenti
  • L'italiano attraverso le canzoni
    • Roma Capoccia di Antonello Venditti
    • Arrivederci Roma di Renato Rascel
Esempio
Arrivederci Roma
di Garinei, Giovannini e R. Rascel

T'invidio turista che arrivi,
t'imbevi de fori e de scavi,
poi tutto d'un colpo te trovi
fontana de Trevi ch'e tutta pe' te!

Ce sta 'na leggenda romana
legata a 'sta vecchia fontana
per cui se ce butti un soldino
costringi er destino a fatte tornà.

E mentre er soldo bacia er fontanone
la tua canzone in fondo è questa qua!

Arrivederci, Roma...
Good bye...au revoir...
Si ritrova a pranzo a Squarciarelli
fettuccine e vino dei Castelli
come ai tempi belli che Pinelli immortalò!
Conhecer o resto da letra...

2ª aula

Isto está a complicar..................
Mas continuo a Amar.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Segunda Sessão - Preparação Cultural e Linguística - Língua Italiana

Attività e obiettivi
  • Chiedere e dire el nome, la professione, l'indirizzo, la nazionalità, el numero di telefono
  • Introduzione al formale e all'informale

Esempi

I numeri da 1 a 20

zero, uno, due, tre,
quattro, cinque, sei,
sette, otto, nove,
dieci, undici, dodici,
tredici, quattordici, quindici,
sedici, diciassette, diciotto,
diciannove, venti.

Dialogo formale
08 - Buongiorno.
15 - Buongiorno, Dottore.
04 - Questo è el Signor Meyer.
05 - Piacere, mi chiamo Poletti.
13 - Scusi?
03 - Poletti. Lei è inglese?
11 - No, sono tedesco. Ecco il mio passaporto.
10 - Grazie.

Dialogo informale
07 - Ciao, Luca.
12 - Ciao Antonella, come va?
18 - Bene, grazie. Ti presento Kevin, un amico di Evanston.
02 - Scusa? Di dove sei, Kevin?
06 - Sono americano, di Evanstron, vicino a Chicago.
14 - Sei in Italia per turismo?
01 - No, studio all'università.
09 - Bene, ci vediamo all'università, allora. Ciao. Ciao, Luca?
16 - Ciao.

terça-feira, 10 de maio de 2011

1ª aula de Italiano

Amei, Amei, Amei.............
Já aprendi muitas coisas com a Angela.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Primeira Sessão - Preparação Cultural e Linguística - Língua Italiana

Attività e obiettivi
  • Presentazione Lingua Italiana e i suoi diversi dialetti
  • Introduzione al suono della lingua italiana
  • Poesia di Cardarelli "I gabbiani"
  • Suoni dell'italiano
  • Saluti in italiano
  • Presentazioni
Esempi
Lui: Come ti chiami?
Lei: Vera. E tu?
Lui: Mi chiamo Vladimir.
Lei: Come scusa?
Lui: Vladimir, mi chiamo Vladimir.
Lei: Piacere.
Lui: Piacere. Sei italiana?
Lei: No, sono portoghese. E tu, di dove sei?
Lui: Io sono russo.

Da "Poesie", Milano, 1949
Vincenzo Cardarelli

Non so dove i gabbiani abbiano il nido,
ove trovino pace.
Io son come loro, in perpetuo volo.
La vita la sfioro
Com'essi l'acqua ad acciuffare el cibo.
E come forse anch'essi amo la quiete,
la gran quiete marina,
ma il mio destino è vivere
balenando in burrasca.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

A Aventura está prestes a começar...

De hoje a um mês, já estaremos em Roma!
Até lá, ainda há muita coisa para acontecer...
Segunda-feira vamos assinar os contratos de participação e começa a nossa preparação linguística...

Bene! Finalmente! Mancano solo 30 giorni!

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Resumo Geral do Projet' INHO - Investigação de Novos Horizontes e Oportunidades

Consciente da necessidade de uma Europa unida, mas cada vez mais exigente em termos de comparação das diferenças culturais e sociais entre os diferentes países, e à luz de uma política de investigação dedicada a apoiar o desenvolvimento de todos os países membros, a Fundação sente necessidade de estabelecer relações profissionais com outras realidades ambientais, no sentido de conhecer, aprender, desenvolver e aplicar outros métodos, instrumentos e processos tiflológicos para que possamos promover verdadeiramente o acesso a uma plena cidadania europeia da pessoa cega, pela promoção do seu acesso ao mundo do trabalho, à construção de uma vida emocional equilibrada, ao melhor uso das Tecnologias de Informação e Comunicação que permitem superar limitações funcionais, com repercussões na vida cultural e no tempo/espaço de lazer.

Participarão neste projeto os colaboradores que, por um lado, contactam no dia-a-dia com os utentes da instituição e que, por outro, têm responsabilidade como elementos da equipa de concepção e implementação de todos os projetos que a Fundação desenvolve.

Atualmente, o panorama da formação profissional dirigida especificamente para pessoas cegas atravessa um período de desequilíbrio entre o que o mercado de trabalho procura e a formação que as diferentes entidades que trabalham em Portugal, nesta área, oferecem.

Por outro lado, a pequena dimensão da nossa população alvo, no nosso país, em termos comparativos com outros países da Europa, dificulta a realização de estudos que façam um exaustivo levantamento e adequação das necessidades dos cegos à formação para o mercado de trabalho e vice-versa. Daí a importância que este projeto assume neste contexto: a entidade que pretendemos visitar tem desenvolvido, no seu país, importante trabalho de investigação e implementação de respostas, as quais pretendemos conhecer, avaliar o grau de possível migração para a realidade do nosso país, e eventualmente implementar algumas estratégias semelhantes.

Pretendemos, para atingir estes objectivos, visitar várias valências da União Italiana de Cegos, num período de mobilidade com a duração de 6 dias.